Absurdo!!

26 11 2007

Menina de 15 anos presa em cela com 20 homens no Pará diz ter mantido relações sexuais em troca de comida

RIO – A jovem de 15 anos que foi mantida numa cela com 20 homens por cerca de um mês em Abaetetuba, no nordeste do Pará, disse ao Conselho Tutelar que era obrigada a manter relações sexuais em troca de comida. Os relatos da adolescente, detida por furto, foram transcritos e serão encaminhados ao Ministério Público. Nesta quarta-feira, os conselheiros vão denunciar o caso a um promotor.

Os conselheiros chegaram até a delegacia de Abaetetuba após receber uma denúncia anônima. Ela foi liberada e está num abrigo, onde receberá apoio psicológico. O superintendente da Polícia Civil da cidade alega que não sabia que a jovem era menor de idade.

 

Se ela dissesse que era de menor seria dado um outro procedimento


– Se ela dissesse que era de menor seria dado um outro procedimento – diz Fernando Cunha, que tem uma cópia da certidão de nascimento da adolescente. – Não existe ala destinada a mulher – completou Cunha.Os conselheiros conversaram com a menor e disseram que ela sofreu nas mãos dos presos.- Ela se submetia a abuso sexual. Mantinha relação sexual com os presos em troca de comida, porque até então ela não tinha parentes que tinham conhecimento da situação em que ela se encontrava – conta Diva Andrade, conselheira tutelar.

Celina Hamoy, representante do Centro de Menores, disse que a menina deveria ter sido apresentada aos pais quando foi detida.

– Deveria ter sido feito o termo circunstanciado na delegacia e então no primeiro dia útil levaria-se ao Ministério Público, se fosse o caso, para apuração do ato infracional – explica.

Na terça-feira, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, classificou de “hedionda e intolerável” a situação da menina.

 

É algo impensável no mundo moderno


– É algo impensável no mundo moderno, além de um grave ataque ao sistema constitucional brasileiro. O episódio é gravíssimo, por não se reconhecer no Brasil os direitos das crianças e adolescentes, o tratamento especial que elas devem receber do Estado, que não pode tratá-las como se fossem marginais – disse Britto, que pretende levar o tema para discussão na Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB.Secretária de Segurança mandou abrir investigação A secretária de segurança pública do Pará, Vera Lúcia Tavares, mandou abrir sindicâncias para apurar o caso.- Vamos apurar o fato de quem a culpa, tanto na corregedoria da polícia civil como na corregedoria do sistema penal, a maior punição é a exoneração – afirma Vera.

A secretária disse que a cadeia de Abaetetuba não tem ala feminina porque parte do prédio foi destruída depois de uma rebelião, mas que isso não justifica a atitude dos policiais.

Link da notícia >> o globo

COM A NOTÍCIA inicial , veio a impressão de ser um caso que ultrapassou muito os atos de barbarismo policial, mas, como dizem de tantos outros, isolado. Logo ficou evidente que a novidade não estava na prisão de uma menina de 15 anos em cela com 20 homens, que a estupraram durante 26 dias, em uma delegacia de polícia. A novidade estava só na revelação pública do caso. Feita a primeira, logo apareceu a segunda, em outra cidade, com uma moça de 23 anos como vítima. E, ao fim de quatro dias, a governadora do Pará, da qual até então só se soubera de sua permanência no Rio – não em reuniões sobre o assunto, mas, naturalmente, com empresários -, de volta ao seu palácio informou ser a prisão de mulheres em celas com homens, como alimento jogado às feras, “uma prática lamentável, que, infelizmente, já acontece há algum tempo”.
A governadora Ana Júlia Carepa não faltou, porém, com a velha palavra tranqüilizante e dignificadora, como é próprio dos governantes: “O governo do Estado não compactua com a violação dos direitos humanos e vai apurar os fatos com rigor”. Compactua, sim. E não só o Estado, assim impessoal. A cadeia de Abaetetuba está sob a responsabilidade de policiais que, por sua vez, estão sob a responsabilidade da administração estadual, cujo maior responsável é, sempre e só, o governador ou governadora. Nada é impessoal nesse colar de responsabilidades.
E, no caso das responsabilidades pelo que ocorreu à menina e a governadora informa ocorrer “há algum tempo” a mulheres presas, trata-se de crime. Pelo qual a governadora Ana Júlia Carepa deveria determinar a pronta prisão dos autores e suspeitos, em vez do simples afastamento, claro que remunerado, para inquérito administrativo. Deixar de fazê-lo é mais um modo de compactuar com aquele e com o abrandamento de outros crimes da polícia do Pará, por certo a mais bárbara do país.
Por acaso ou não, a entrevista da governadora foi acompanhada pela divulgação simultânea, na sede européia da ONU, de um relatório que afirma haver “tortura sistemática no Brasil”. Já não era assunto para a governadora. O ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vanucchi, reagiu com a necessária negação: “Não existe tortura sistemática no Brasil”, quando ocorre nas prisões “não é como regra”.
A tortura é sistemática, sim. Criadas pelas chamadas autoridades de ontem e mantidas pelas de hoje, as condições das cadeias brasileiras são práticas de tortura fotografadas, filmadas, expostas em jornais e revistas e exibidas publicamente em cinemas e na tv: três, quatro vezes a quantidade de pessoas admissível nas celas exíguas em presídios e delegacias, revezando-se para dormir, sem arejamento, sem sol, com iluminação mínima, em imundície geral, fedor terrível e comida nojenta ou deteriorada – por meses sucessivos, para milhares, por ano após ano. Não são celas: são jaulas, onde quem não é fera ao entrar, encontra todos os motivos para sair transformado em fera.
Isso não é regra no Brasil? E não é uma forma de tortura? Se narrado como episódio da Alemanha nazista, o que ocorreu à menina paraense seria o quê, senão um crime de tortura da bestialidade nazista? E até onde as cadeias brasileira diferem daquelas típicas dos regimes mais barbaramente criminosos?
Os que criam e mantêm tudo o que é sistemático nas cadeias brasileiras não são o balconista da farmácia e o gari. Há 11 meses, 27 governadores tomaram posse, mas até hoje não se soube que um só deles se voltasse com ação efetiva contra as formas de tortura praticadas, com freqüência, já no ato mesmo de prender, até o encarceramento em delegacias e, por fim, nos presídios das revoltas sucessivas. Se a governadora Ana Júlia Carepa pode ter algum consolo, é a de que tem a seu lado 26 governadores compactuando com a tortura sistemática.
Por mais eficiente que seja a prática de só chamar de tortura determinados métodos de extorquir afirmações, não se diminui a verdade de que o Brasil é um país praticante de tortura como norma. O que não é regra, é minoria, são delegacias e presídios que não neguem o art. 5º-III da Constituição: “Ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante”.

Transcrito da Folha de São Paulo (25/11/07).


Ações

Information

One response

28 11 2007
Estela Maris

Um completo absurdo!! Absurdo por ser uma menor e um absurdo por ser uma mulher independente da idade que tenha!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: